Em sessão solene remota, CMC homenageia Dia da Consciência Negra

por Fernanda Foggiato — publicado 20/11/2020 14h55, última modificação 20/11/2020 17h00
Por proposição de Herivelto Oliveira, atividade marcou avanço das candidaturas de negros nas eleições 2020.
Em sessão solene remota, CMC homenageia Dia da Consciência Negra

Por proposição de Herivelto Oliveira, CMC homenageou candidatos negros às eleições 2020. (Foto: Rodrigo Fonseca/CMC)

A Câmara Municipal de Curitiba (CMC) realizou, nesta sexta-feira (20), sessão solene remota em homenagem ao Dia da Consciência Negra. Por iniciativa do vereador Herivelto Oliveira (Cidadania), a atividade destacou o recorde de candidatos negros nas eleições deste ano, em todo o país. Também registrou a indignação com o assassinato de João Alberto Silveira Freitas, 40 anos. Espancado até a morte no estacionamento de um supermercado de Porto Alegre (PA), na noite dessa quinta-feira (19), ele se tornou mais uma vítima da violência contra os negros no Brasil.

“A vida do negro no Brasil está longe de ser um mar de rosas. Muito pelo contrário. Os negros são vítimas da violência urbana, ocupam mais subempregos e ganham menos que a média dos brancos”, apontou Herivelto Oliveira. “Tudo isso é verdade. Mas nós não podemos nos acomodar e usar as histórias ruins para justificar uma condição que tem que ser mudada. Nós precisamos de mais espaço nas artes, na tecnologia, na internet, na política. Nós temos que fazer o nosso futuro melhor e o nosso futuro já é agora.”

A sessão solene homenageou os dois novos vereadores negros da próxima legislatura, Carol Dartora e Renato Freitas, ambos do PT, e mais 18 candidatos ao último pleito, em Curitiba e região metropolitana. “Esta eleição trouxe uma boa notícia. Houve recorde de candidatos negros e pardos. Ou, como eu prefiro, negros. Fomos maioria com 276 mil candidatos, contra 260 mil candidatos brancos”, indicou Oliveira.

“Infelizmente esta proporção não se manteve depois dos votos apurados, mas, ainda assim, houve crescimento no número de negros em prefeituras e câmaras municipais em relação às eleições de 2016. De 5700 candidatos à prefeitura, 1400 negros, foram eleitos prefeitos. Nas câmaras municipais a média nacional chegou a 42%”, continuou. “Vindo aqui pra Curitiba a proporção cai bastante, até porque a proporção de negros na cidade é menor. Mas serão três negros no plenário a partir do ano que vem.”

Oliveira lembrou de outro marco: Dartora será a primeira mulher negra a assumir uma cadeira no Legislativo da capital. A 18ª legislatura da Câmara de Curitiba contará com João da Loja 5 Irmãos (PSL), que se declarou pardo no registro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

“Para nós, negros, a batalha é sistemática e todo dia. Temos que somar forças”, disse a Assessora de Políticas Étnico-Raciais do Município, Marli Teixeira Leite, durante a saudação aos homenageados. Segundo ela, a Prefeitura de Curitiba está desenvolvendo um Plano de Igualdade Racial. A ideia é reunir todas as secretarias e capacitar os servidores no enfrentamento ao racismo estrutural. “Viva Zumbi, Viva Dandara, Viva a Consciência Negra.”

“Parabenizo todos os homenageados e você [Oliveira] pela iniciativa da sessão solene”, pontuou Mauro Bobato (Pode). “A gente sabe que nosso país é racista, nossa cidade é racista, muitas pessoas são racistas. Não basta ser contra o racismo, temos que ser antirracistas”, comentou Professora Josete (PT). “Todos os dias temos que enfrentar o racismo, mas a luta continua. Curitiba e região metropolitana têm mais de 1 milhão de negros”, disse Adegmar da Silva, o Candiero, que disputou as eleições pelo PDT e foi um dos homenageados.

Confira aqui o minicurrículo de todos os homenageados. O álbum da sessão solene está disponível no Flickr da CMC.