Autoridades lamentam morte de Jairo Marcelino e elogiam o parlamentar

por José Barros publicado 20/10/2020 19h30, última modificação 20/10/2020 20h19
Do governador do Paraná aos colegas vereadores, diversas autoridades lamentaram a morte do vereador de Curitiba
Autoridades lamentam morte de Jairo Marcelino e elogiam o parlamentar

Foi decretado luto oficial de três dias em Curitiba pela morte de Jairo Marcelino. (Foto: Arquivo/CMC)

“A pandemia de Covid-19 tem tirado muitas pessoas queridas das famílias paranaenses, a quem presto toda a minha solidariedade pelas irreparáveis perdas. Hoje, o vereador curitibano Jairo Marcelino, nosso companheiro no campo político, não resistiu à doença. Minhas sinceras condolências à família e aos amigos. Que Deus o receba com bênçãos”, lamentou, nesta terça-feira (20), pelas redes sociais, o governador do Paraná, Ratinho Júnior. Correligionário de Marcelino no PSD, ele foi uma das muitas autoridades políticas que lamentaram a morte do vereador da Câmara Municipal de Curitiba (CMC).

> Nota de falecimento: Jairo Marcelino, a testemunha da redemocratização de Curitiba
> CMC reúne vídeos e material fotográfico da trajetória parlamentar de Jairo Marcelino
> Despedida de Jairo Marcelino terá cerimônia restrita

Tão logo a notícia foi compartilhada pela família de Marcelino, o prefeito de Curitiba, Rafael Greca, decretou luto oficial de três dias na capital do Estado. “Profundamente consternados, Margarita e eu nos unimos a dona Vilma Marcelino e familiares”, disse o chefe do Executivo, que chamou o parlamentar de “companheiro na luta pelo bem de Curitiba”. Eles foram colegas de CMC em 1983, quando ambos começavam na vida pública.

“Lutou vários dias contra a Covid-19 e hoje deixou este mundo no Hospital Vita. Possam os anjos velar seu repouso com cânticos de glória. Seja recebido na Casa do Senhor, sob a Luz dos Pinhais pelo muito que trabalhou e amou”, desejou Greca nas redes sociais. “Em nome dos curitibanos, agradeço por seu trabalho e desejo que Deus conforte seus familiares neste momento de luto”, acrescentou Eduardo Pimentel, vice-prefeito.

O presidente da CMC, Sabino Picolo (DEM), suspendeu o expediente no Legislativo em razão do luto oficial, e lamentou a morte do colega de plenário. “A cidade de Curitiba acaba de perder um dos seus filhos mais brilhantes. Jairo Marcelino era vereador há nove mandatos, sendo um dos mais antigos do Brasil em atividade. Ele representava muito bem a sua comunidade. Foi uma pessoa honesta, trabalhadora, dedicada… Fica o nosso sentimento à família e aos amigos do Jairo”, disse Picolo.

Diversos vereadores da atual legislatura também choraram a morte do colega de plenário, independente do partido e de serem base ou oposição. “Sentávamos lado a lado no plenário. Quando fui eleito, ele foi o primeiro a me convidar para um café”, lembrou, com carinho, Marcos Vieira (PDT). “Recordo com carinho quanto ele me ensinou no meu primeiro mandato”, disse Maria Leticia (PV). “É um dia triste na Câmara”, afirmou Bruno Pessuti (Pode). “Lamentamos imensamente a perda do nosso amigo”, escreveu Noemia Rocha (MDB). “Que Deus o receba de braços abertos”, desejou Cristiano Santos (PV). “Foi um cara intenso na defesa da cidade, em especial dos taxistas”, lembrou Pier Petruzziello, do PTB.

Institucionalmente, a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) também registrou a morte do parlamentar, após deputados estaduais mencionarem a notícia triste em plenário. “Lamento saber do falecimento do vereador Jairo Marcelino, de Curitiba, com quem tive a honra de conviver no período que fui vereador da capital”, disse Luiz Claudio Romanelli, primeiro secretário da Alep.

“Foi eleito nove vezes. Prova de que trabalhava muito pela comunidade”, escreveu Ney Leprevost, nas redes sociais. O senador Alvaro Dias também lamentou o falecimento no Twitter: “Jairo Marcelino morre em Curitiba por complicações da Covid-19. Depois de 9 vitórias eleitorais e 9 mandatos na Câmara de Vereadores de Curitiba, o amigo Jairo Marcelino e abatido pela Covid-19. Grande perda. Ele deixa uma legião de amigos”.

Restrições eleitorais
A cobertura jornalística dos atos públicos do Legislativo será mantida, objetivando a transparência e o serviço útil de relevância à sociedade. Também continua normalmente a transmissão das sessões plenárias e reuniões de comissões pelas mídias sociais oficiais do Legislativo (YouTube, Facebook e Twitter). Entretanto, citações, pronunciamentos e imagens dos parlamentares serão controlados editorialmente até as eleições, adiadas para o dia 15 de novembro de 2020, em razão da pandemia do novo coronavírus.

Em respeito à legislação eleitoral, não serão divulgadas informações que possam caracterizar uso promocional de candidato, fotografias individuais dos parlamentares e declarações relacionadas aos partidos políticos. As referências nominais aos vereadores serão reduzidas ao mínimo razoável, de forma a evitar somente a descaracterização do debate legislativo (leia mais).