Estudantes apresentam carta em apoio ao feriado da Consciência Negra

por Assessoria Comunicação publicado 14/11/2013 17h40, última modificação 21/09/2021 07h18

O presidente da Câmara de Curitiba recebeu, nesta quinta-feira (14), carta de apoio dos alunos do 7º ano do Colégio Medianeira ao feriado do Dia da Consciência Negra. O documento foi entregue a Paulo Salamuni por comissão dos estudantes, que debateram a formação da identidade cultural do município na disciplina de Ensino Religioso, ministrada pela professora Lidiane Cordeiro.

Segundo Lidiane, a iniciativa partiu dos alunos. As sete turmas do 7º ano, que somam 250 estudantes, contribuíram para a elaboração da carta. “Nós apoiamos e consideramos muito justo ter um feriado que comemore a cultura negra em nossa cidade, tendo em vista que já comemoramos e priorizamos inúmeros feriados europeus. Em nossos parques, praças e monumentos não há elementos que lembrem a cultura afrodescendente”, afirma o documento.

“Ao dar prioridade ao comércio, está se dando mais valor ao dinheiro e ao lucro do que à cultura negra de nossa cidade. O que vale mais, senhores?”, diz outro trecho.  “Na história, os escravos eram considerados objetos e comercializados. Hoje, a comunidade negra vai perder seu feriado por causa do comércio? Valorizar o lucro não ajuda a fortalecer nossa identidade histórica. O feriado contribuiria para a aceitação do outro e para a igualdade racial”, destaca.

“Fico feliz de ver que vocês, jovens, tiveram sensibilidade e entenderam o significado do feriado”, afirmou Salamuni. Ele explicou aos visitantes o trâmite para a aprovação da medida, sua promulgação, o posicionamento contrário da Associação Comercial do Paraná (ACP) e a decisão do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) que suspendeu, liminarmente, os efeitos da lei 14.224/2013.

Desagravo

O presidente também destacou a Ação de Reclamação Constitucional protocolada ontem (13) junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), que será relatada pelo ministro Gilmar Mendes (leia mais). “Não sei se vamos conseguir cassar a tempo a liminar, mas fizemos nossa parte. Há a possibilidade de ponto facultativo na Câmara, no dia 20, como desagravo à decisão do Tribunal de Justiça”, completou Paulo Salamuni.

Segundo o vereador, a decisão sobre o ponto facultativo será tomada nesta segunda-feira (15), pela Comissão Executiva da Casa.