Participação Legislativa fará "vistoria surpresa" em funerárias

por Assessoria Comunicação publicado 22/10/2014 10h30, última modificação 27/09/2021 11h50

Nesta quarta-feira (22), a Comissão de Participação Legislativa concordou em fazer vistoria surpresa nas funerárias de Curitiba. A decisão está atrelada a outra, tomada um mês atrás, quando os vereadores Aldemir Manfron (PP), presidente, Tico Kuzma (PROS), Jairo Marcelino (PSD), Dirceu Moreira (PSL) e Jorge Bernardi (PDT) autorizaram a tramitação, na Câmara Municipal, de um projeto de lei que “flexibiliza” o rodízio das funerárias (leia mais), mas continuaram debatendo o tema (099.00001.2014).

Ao autorizarem a tramitação, os vereadores converteram em projeto de lei uma sugestão de iniciativa popular formulada pela Femoclam (Federação Comunitária das Associações de Moradores de Curitiba) que faculta aos familiares escolherem funerária diferente daquela indicada pela central única de lutos (lei municipal 10.595/2002) – hoje em dia, 26 concessionárias atendem parentes enlutados, seguindo uma ordem definida por sorteio realizado pela central. O projeto em questão permite aos familiares selecionar diretamente uma empresa, “fora do rodízio”, que, por “pular o sorteio”, seria realocada automaticamente no “final da fila”.

O tema gerou debates em plenário, pois jornais da capital começaram a relacionar parlamentares às concessionárias (leia mais) e surgiu a ideia de abrir uma Comissão Parlamentar de Inquérito para tratar do assunto. “Em vez de realizar uma CPI de imediato, parece oportuno que alguma comissão do Legislativo fiscalize o serviço prestado à população”, argumentou Kuzma. Marcelino relatou que o atendimento às famílias enlutadas, apesar do rodízio, não é prestado com a mesma qualidade por todas as 26 concessionárias que atuam hoje nessa função. Aldemir Manfron e Jorge Bernardi acataram a sugestão.

A primeira vistoria surpresa acontecerá ainda em outubro, mas a data será divulgada para a imprensa somente na véspera. “No dia, conforme combinamos por achar mais producente, fazemos um sorteio e visitaremos alguma das funerárias da capital. O objetivo é compreender melhor como funciona o serviço prestado à população”, confirmou Manfron. As informações obtidas poderão auxiliar na análise do projeto que “flexibiliza” o rodízio, em trâmite pelas comissões temáticas.